quinta-feira, 19 de maio de 2011

100 posts

Percebi agora que passei dos 100 posts no blog. Tudo começou em 21 de julho de 2005. Naquela época não sabia direito o que seria este blog. Escreveria contos? Poesias? Relatos auto-biográficos? Acabou sendo um pouco de tudo.
De início eu era o Psicoalcoolista - personagem que criei para dar conta de fundir realidade com ficção e, confesso agora, também uma maneira de não se expor tanto. É que também nunca gostei de blogs muito confessionais. Não interessa saber que o sujeito escovou os dentes às duas da tarde naquele fatídico dia. Tem que haver um algo mais.
É esse algo mais que persigo desde o início, esse caminho que vem sendo construído e que um dia eu gostaria que se chamasse literatura. Não é o simples relato da vida cotidiana, é uma construção, uma interpretação, uma tentativa de conseguir transmitir os afetos que nos transbordam no dia-a-dia. Preferi chamar de impressões -a tag mais utilizada nos posts. Chamei de memória, angústia e solidão. Marcas do subjetivo.
Por vez ou outra me arrisquei em contos e crônicas. Aliás, comecei com uma crônica que mais se parece com um conto de tão surreal que era. Na escrita um esforço para ser direta e subjetiva ao mesmo tempo - técnica que busco incansavelmente inspirado na associação livre freudiana. Era terapia também - e continua sendo.
Há a relação com a música também. Indispensável para compreender os textos. Em cada post uma inspiração musical, uma banda ou um álbum, ou apenas uma canção - que para eu muitas vezes exprimia mais  que o texto o que estava sentindo, mas que no geral servia para compor um recorte, um quadro da existência.
Nesses 5 anos muitas coisas aconteceram. Psicoalcoolista se tornou finalmente Luizfst. Era "um estudante de psicologia estagnado em sua estrutura obsessiva, que observava passivelmente a rica paisagem pós-moderna, tentando elaborar algo desta existência" - a descrição era mais ou menos essa. Hoje é Luizfst, psicólogo, professor universitário, futuramente noivo. Muita coisa mudou. Mas os textos conservam ainda sua essência: a de serem tentativas de elaboração da realidade, seja esta objetiva ou subjetiva, seja a da dor e sofrimento ou da alegria e contemplação. 
Parabéns "Contos Neuróticos Cotidianos", por ter sido meu fiel companheiro de tantas madrugadas e tardes insossas  e que agora, mesmo que sem tempo para se dedicar mais, continua a ser essa "via de escape" de um Real absurdo".

2 comentários:

Sobre o amor, e o desamor... disse...

e parabéns, porque foram 100 posts que expressaram muito bem um pouquinho de você., 100 pedacinhos de você que já li milhões de vezes, em especial com toda a certeza pelo post sobre o nascimento do seu afilhado.beijos

Luizfst disse...

Obrigado pela leitura! Realmente são 100 pedaço de mim que consegui expressar. Esse sobre o Caio foi um dos mais emocionantes para mim.